Pensamento Grego e a Igreja Cristã: Encontros e Confrontos – Alguns apontamentos (38)

a) Confiam e Esperam no Senhor

Os salmistas com experiências semelhantes, testemunham a sua fé no Senhor:                    

Alegraram-se os que te temem (arey) (yare’) quando me viram, porque na tua palavra tenho esperado. (Sl 119.74).

Confiam no SENHOR os que temem (arey) (yare’) o SENHOR; ele é o seu amparo e o seu escudo. 12 De nós se tem lembrado o SENHOR; ele nos abençoará; abençoará a casa de Israel, abençoará a casa de Arão. 13 Ele abençoa os que temem (arey) (yare’) o SENHOR, tanto pequenos como grandes. (Sl 115.11-13).

O SENHOR está comigo; não temerei (arey) (yare’). Que me poderá fazer o homem? (Sl 118.6).

     Os que temem ao Senhor ainda que não possam discernir em cada etapa de sua vida o propósito de Deus, conhecem o seu Deus, por isso, podem descansar em suas promessas, sabendo que os caminhos de Deus são sempre perfeitos.

b) Têm uma visão correta da Misericórdia de Deus da qual São beneficiários

“Digam, pois, os que temem (arey) (yare’) ao SENHOR: Sim, a sua misericórdia dura para sempre” (Sl 118.4/Sl 103.11,17).

     18 Eis que os olhos do SENHOR estão sobre os que o temem (arey) (yare’), sobre os que esperam na sua misericórdia, 19 para livrar-lhes a alma da morte, e, no tempo da fome, conservar-lhes a vida. 20 Nossa alma espera no SENHOR, nosso auxílio e escudo. 21 Nele, o nosso coração se alegra, pois confiamos no seu santo nome. 22 Seja sobre nós, SENHOR, a tua misericórdia, como de ti esperamos” (Sl 33.18-22).

     “Como um pai se compadece de seus filhos, assim o SENHOR se compadece dos que o temem (arey) (yare’) (Sl 103.13).

     Usando ideologicamente do nome graça, podemos nos tornar arrogantes. No então, nas Escrituras, não há lugar para isso. A graça corretamente compreendida é um estímulo ao temor: “Bem! Pela sua incredulidade, foram quebrados; tu, porém, mediante a fé, estás firme. Não te ensoberbeças, mas teme (fobe/w) (Rm 11.20).

 c) Sentem-se Seguros

Como Deus cuida de nós, podemos nos sentir seguros, protegidos por Ele mesmo: “Temei (arey) (yare’) o SENHOR, vós os seus santos, pois nada falta aos que o temem (arey) (yare’) (Sl 34.9). “Dá sustento aos que o temem (arey) (yare’); lembrar-se-á sempre da sua aliança” (Sl 111.5).

     Se Deus é a nossa fortaleza, a ninguém temeremos: “Ainda que eu ande pelo vale da sombra da morte, não temerei (arey) (yare’) mal nenhum, porque tu estás comigo; o teu bordão e o teu cajado me consolam” (Sl 23.4/Sl 34.7; 56.3-4,11).

     Os mais terríveis temores podem ser dominados pela plena confiança no cuidado de Deus. Esse é o testemunho e estímulo do salmista aos que creem:         “O SENHOR é a minha luz e a minha salvação; de quem terei medo (arey) (yare’)? O SENHOR é a fortaleza da minha vida; a quem temerei (dx;P’) (pahad)?” (Sl 27.1/Is 12.2).

d) Deus lhes atende à oração

 “Ele acode à vontade dos que o temem (arey) (yare’); atende-lhes o clamor e os salva” (Sl 145.19). O temor do Senhor não nos torna imunes a angústias próprias de nossa existência e limitações, contudo, há uma certeza: Deus não é indiferente à nossa oração. Dentro de seu propósito santo, Ele nos consola ouvindo o nosso clamor, nos salvando.

     Como é confortador saber que o nosso Deus, diferentemente dos deuses pagãos – que só existem na imaginação dos que creem -, é  soberanamente solícito para conosco. Ele é de fato o nosso Senhor e Pastor.

e) São Bem-aventurados com as bênçãos de Deus

 Como o temor de Deus envolve uma relação amorosa com Deus, tendo implicações em todas as nossas relações, a Escritura declara com frequência a bem-aventurança própria daqueles que temem a Deus:

Aleluia! Bem-aventurado o homem que teme (arey) (yare’) ao SENHOR e se compraz nos seus mandamentos. (Sl 112.1).

Ele abençoa os que temem (arey) (yare’) o SENHOR, tanto pequenos como grandes. (Sl 115.13).

Bem-aventurado aquele que teme (arey) (yare’) ao SENHOR e anda nos seus caminhos!. (Sl 128.1/Sl 128.4).

Como é grande a tua bondade, que reservaste aos que te temem (arey) (yare’), da qual usas, perante os filhos dos homens, para com os que em ti se refugiam! (Sl 31.19).

São Paulo, 10 de dezembro de 2019.

Rev. Hermisten Maia Pereira da Costa

Um comentário em “Pensamento Grego e a Igreja Cristã: Encontros e Confrontos – Alguns apontamentos (38)

  • 14 de dezembro de 2019 em 08:06
    Permalink

    O temor é consolador uma vez que o Senhor se compraz nele.
    Vivo cheio de temores, não em relação à vida em si mas em relação ao propósito dela, se o cumoro devidamente. Mas há consolo no Senhor. Os conflitos acham paz na graça.

    Resposta

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *