Eu lhes tenho dado a tua Palavra (Jo 17.1-26) (107)

7. Preserva e regulamenta a unidade da Igreja (Jo 17.20-23)

Esta última verdade que vamos analisar neste texto deve ser vista à luz do que estudamos. A Palavra de Deus transmitida por Jesus Cristo é o caminho por meio do qual o Espírito age nos chamando, santificando e, também, preservando a unidade da Igreja por Ele mesmo produzida. Logo, essa unidade não é independente da Palavra, é resultante dela. É a Palavra de Deus que regulamenta os princípios de nossa unidade espiritual.

No entanto, comecemos a nossa exposição com uma pergunta: Por quem Jesus ora? Podemos observar já de início que a unidade aqui descrita tem determinados critérios e parâmetros. Destaquemos alguns aspectos:

          a) Notemos que a unidade pela qual Jesus ora é entre aqueles que por meio do seu testemunho creram na sua procedência divina, recebendo e guardando a Palavra (Jo 17.6-8,20,25):

6 Manifestei o teu nome aos homens que me deste do mundo. Eram teus, tu mos confiaste, e eles têm guardado a tua palavra7 Agora, eles reconhecem que todas as coisas que me tens dado provêm de ti8 porque eu lhes tenho transmitido as palavras que me deste, e eles as receberam, e verdadeiramente conheceram que saí de ti, e creram que tu me enviaste. (…)  20 Não rogo somente por estes, mas também por aqueles que vierem a crer em mim, por intermédio da sua palavra;   (…) 25 Pai justo, o mundo não te conheceu; eu, porém, te conheci, e também estes compreenderam que tu me enviaste.

            b) Eles não são do mundo. É por eles que o Senhor ora em prol de sua preservação, união e santificação (Jo 17.9-11,14,16,17):

9 É por eles que eu rogo; não rogo pelo mundo, mas por aqueles que me deste, porque são teus10 ora, todas as minhas coisas são tuas, e as tuas coisas são minhas; e, neles, eu sou glorificado11 Já não estou no mundo, mas eles continuam no mundo, ao passo que eu vou para junto de ti. Pai santo, guarda-os em teu nome, que me deste, para que eles sejam um, assim como nós.  (…) 14 Eu lhes tenho dado a tua palavra, e o mundo os odiou, porque eles não são do mundo, como também eu não sou.  (…)   16 Eles não são do mundo, como também eu não sou.  17 Santifica-os na verdade; a tua palavra é a verdade.   

          c) Eles pertencem ao Pai e ao Filho (Jo 17.2,6,9,11, 24):

2 Assim como lhe conferiste autoridade sobre toda a carne, a fim de que ele conceda a vida eterna a todos os que lhe deste. (…)  6 Manifestei o teu nome aos homens que me deste do mundo. Eram teus, tu mos confiaste, e eles têm guardado a tua palavra. (…)  9 É por eles que eu rogo; não rogo pelo mundo, mas por aqueles que me deste, porque são teus; (…)      11 Já não estou no mundo, mas eles continuam no mundo, ao passo que eu vou para junto de ti. Pai santo, guarda-os em teu nome, que me deste, para que eles sejam um, assim como nós. (…)  24 Pai, a minha vontade é que onde eu estou, estejam também comigo os que me deste, para que vejam a minha glória que me conferiste, porque me amaste antes da fundação do mundo.  

            d) O Senhor se santifica em favor deles (Jo 17.19): E a favor deles eu me santifico a mim mesmo, para que eles também sejam santificados na verdade”.

          e) Roga pelos que virão a crer nele por intermédio da Palavra (Jo 17.20-21):

20 Não rogo somente por estes, mas também por aqueles que vierem a crer em mim, por intermédio da sua palavra21 a fim de que todos sejam um; e como és tu, ó Pai, em mim e eu em ti, também sejam eles em nós; para que o mundo creia que tu me enviaste. 

          f) Todos estes são os amados de Deus (Jo 17.23,26):

23 Eu neles, e tu em mim, a fim de que sejam aperfeiçoados na unidade, para que o mundo conheça que tu me enviaste e os amaste, como também amaste a mim. (…)  26 Eu lhes fiz conhecer o teu nome e ainda o farei conhecer, a fim de que o amor com que me amaste esteja neles, e eu neles esteja. 

          g) Jesus orou para que o seu povo permanecesse unido pela sua Palavra, que aponta:

          1) Para Cristo (20-21).

          2) Para a sua Glória (1,4,22) e,

          3) Revela a unidade amorosa da Trindade (22-23).

Desta forma, a Igreja é caracterizada por sua fé em Cristo por intermédio da Palavra revelada. Bruce (1910-1990) comenta que, “a unidade pela qual Ele ora é uma unidade de amor, na verdade trata-se da participação deles na unidade de amor que existe eternamente entre o Pai e o Filho”.[1]

Mais tarde, Lucas registrando como os primeiros cristãos viviam, escreve: “E perseveravam na doutrina dos apóstolos e na comunhão, no partir do pão e nas orações” (At 2.42).

Maringá, 26 de julho de 2020.

Rev. Hermisten Maia Pereira da Costa


[1]F.F. Bruce, João: Introdução e Comentário, São Paulo: Vida Nova; Mundo Cristão, 1987, p. 285.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *