A Pessoa e Obra do Espírito Santo (253)

6.4.1. A Sabedoria de Deus, a riqueza do Evangelho e a Igreja

A igreja é seu teatro em que contemplam, extasiados, a variada e multiforme sabedoria de Deus [Ef 3.10]. – João Calvino.[1]

A Igreja de Deus é maravilhosa! Nela vemos exemplificados múltiplos e grandiosos aspectos da soberania, misericórdia e sabedoria do Trino Deus. O propósito eterno de Deus passa essencialmente pela Igreja. É na Igreja que Deus congrega e integra seus eleitos e deles cuida por intermédio da Palavra. E na Igreja onde a Palavra de Deus é pregada e os eleitos são reunidos a ela e, também, por meio da Igreja são edificados, amadurecendo em sua fé, tornando-se agentes desta mesma mensagem que os curou.

A Igreja, de fato, é incompreensível às nossas mentes porque, de fato, ela não tem a sua origem aqui embaixo nem é preservada por carne e sangue, mas pelo próprio Deus que a formou.

Na carta à Igreja de Éfeso, Paulo ora por aqueles irmãos, para que o “Pai da glória” lhes concedesse a percepção correta do propósito glorioso de Deus para com a sua igreja: “Iluminados os olhos do vosso coração, para saberdes qual é a esperança do seu chamamento, qual a riqueza (plou=toj) da glória da sua herança nos santos” (Ef 1.18).

A Igreja é o monumento que evidencia a riqueza da graça de Deus.

A Igreja é a prova material da estupenda graça divina.

A Igreja é o resultado concreto da rica sabedoria e graça de Deus.

Somos o testemunho para todo o sempre desta graça.

A igreja em sua própria constituição reflete a glória de Deus e de sua graça.

A igreja em sua vida e testemunho deve apontar e vivenciar a glória de Deus.[2]

O apóstolo traça um paralelo entre a antiga vida dos efésios, dominada pelo pecado, morte e destruição, e a realidade presente, caracterizada pela transformação operada pela graça.

1Ele vos deu vida, estando vós mortos nos vossos delitos e pecados, 2 nos quais andastes outrora, segundo o curso deste mundo, segundo o príncipe da potestade do ar, do espírito que agora atua nos filhos da desobediência; 3 entre os quais também todos nós andamos outrora, segundo as inclinações da nossa carne, fazendo a vontade da carne e dos pensamentos; e éramos, por natureza, filhos da ira, como também os demais. 4Mas Deus, sendo rico (plou/sioj) em misericórdia, por causa do grande amor com que nos amou, 5 e estando nós mortos em nossos delitos, nos deu vida juntamente com Cristo, — pela graça sois salvos, 6 e, juntamente com ele, nos ressuscitou, e nos fez assentar nos lugares celestiais em Cristo Jesus; 7 para mostrar, nos séculos vindouros, a suprema riqueza (plou=toj) da sua graça, em bondade para conosco, em Cristo Jesus. (Ef 2.1-7).

          Portanto, na igreja vemos aspectos sublimes da sabedoria de Deus,[3] que consiste no seu poder onisciente se concretizando de acordo com a sua santa vontade.[4]

Por isso, a igreja, em sua natureza e mensagem testemunha a “multiforme sabedoria de Deus”. Quer aqui, quer na eternidade a igreja permanecerá como testemunho, inclusive para os anjos,[5] das diversas perfeições de Deus que se agenciam em perfeita sabedoria para constituir, santificar e preservar a igreja: “Para que, pela igreja, a multiforme (*polupoi/kiloj) sabedoria de Deus se torne conhecida, agora, dos principados e potestades nos lugares celestiais” (Ef 3.10).

Lloyd-Jones (1899-1981) comenta:

A Igreja é o meio pelo qual a sabedoria se torna manifesta. A Igreja é uma espécie de prisma posto no caminho da luz para repartir o resplendor nas cores do espectro. (…) É através da Igreja, como um meio, que os anjos têm recebido esta nova concepção da transcendente glória da sabedoria de Deus. (…) A Igreja Cristã é mais maravilhosa do que qualquer coisa visível na natureza. (…) Como membros do corpo de Cristo somos o mais maravilhoso fenômeno do universo, a coisa mais admirável que Deus fez. (…) A Igreja é o brilho mais esplendente da sabedoria de Deus. (…) A Igreja é a expressão final da sabedoria de Deus, a realidade que, acima de todas as demais, capacita até os anjos a compreenderem a sabedoria de Deus.[6]

          A riqueza da glória de Deus se manifesta também em nossa cotidianidade; em nossa manutenção e preservação. Deus cuida de nós não apenas externamente. Ele nos fortalece intimamente, alimentando, nutrindo a nossa alma, concedendo vigor à nossa resistência por meio da Palavra para os embates desta vida, aos quais estamos sujeitos, inclusive, como resultado de nossa fidelidade a Deus. Quando o homem interior é fortalecido pelo Espírito, toda a nossa estrutura também o é.

Sabendo que somente Deus pode nos fortalecer, Paulo ora a Ele neste sentido, para que a família da fé seja fortalecida no poder do Espírito: “Por esta causa, me ponho de joelhos diante do Pai, de quem toma o nome toda família, tanto no céu como sobre a terra, para que, segundo a riqueza (plou=toj) da sua glória, vos conceda que sejais fortalecidos com poder, mediante o seu Espírito no homem interior” (Ef 3.14-16).

          Do mesmo modo Ele suplica para que Deus supra as necessidades da igreja de Filipos: “E o meu Deus, segundo a sua riqueza (plou=toj) em glória, há de suprir, em Cristo Jesus, cada uma de vossas necessidades” (Fp 4.19).

São Paulo, 01 de agosto de 2021.

Rev. Hermisten Maia Pereira da Costa


[1] João Calvino, As Institutas, III.20.23.

[2] “Ainda que Deus seja suficiente a si mesmo e se satisfaça exclusivamente consigo mesmo, não obstante quer que sua glória se manifeste na Igreja” (João Calvino, O Evangelho segundo João, São José dos Campos, SP.: Editora Fiel, 2015, v. 1, (Jo 2.17), p. 100).

[3]A sabedoria de Deus consiste na escolha dos melhores meios para a consecução de Seus santos propósitos. Outras definições: “A sabedoria de Deus é sua capacidade de selecionar os melhores meios para a obtenção do alvo mais elevado” (William Hendriksen, Romanos, São Paulo: Cultura Cristã, 2001, (Rm 11.33), p. 510). “A sabedoria fala sobre o arranjo e a adaptação de todas as coisas para o cumprimento de seus santos propósitos” (John Murray, Romanos, São José dos Campos, SP.: Fiel, 2003, (Rm 11.33-36), p. 469). “Podemos definir a sabedoria de Deus dizendo que é o atributo pelo qual Ele dispõe os Seus propósitos e os Seus planos, e dispõe os meios que produzem os resultados que Ele determinou” (D. Martyn Lloyd-Jones, As Insondáveis Riquezas de Cristo, São Paulo: Publicações Evangélicas Selecionadas, 1992, p. 73).

[4] “A sabedoria de Deus poderia ser definida como a onisciência agindo com uma vontade santa” (John MacArthur, Deus: Face a face com sua majestade, São José dos Campos, SP.: Fiel, 2013, p. 65).

[5]“A igreja (…) é um espelho no qual os anjos contemplam a portentosa sabedoria de Deus, a qual anteriormente não conheciam. Contemplam uma obra totalmente nova para eles, cuja forma estava oculta em Deus” (João Calvino, Efésios, São Paulo: Paracletos, 1998, (Ef 3.10), p. 94).

[6]D. Martyn Lloyd-Jones, As Insondáveis Riquezas de Cristo, São Paulo: Publicações Evangélicas Selecionadas, 1992, p. 76-77. “Os anjos podem ver o poder de Deus na Criação, a ira de Deus no Monte Sinai e o amor de Deus no Calvário. Mas eles veem a sabedoria de Deus na Igreja” (John MacArthur, Deus: Face a face com sua majestade, São José dos Campos, SP.: Fiel, 2013, p. 68).

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *