Revelação, conhecimento e relacionamento pessoal

O conhecimento do nome de Deus só nos é possível por iniciativa do próprio Deus. O seu nome não é descoberto ou atribuído por nós de forma arbitrária. Ele mesmo se dá a conhecer em Jesus Cristo. A revelação é um ato da livre graça de Deus.

O nome abrange tudo quanto nos foi revelado a seu respeito: todos os seus atributos revelados e todas as suas obras. O nome de Deus está relacionado à sua revelação; Jesus revelou (fanerw/n (phanerõn) = “tornar claro”; “manifestar”, “fazer conhecido”) o nome do Pai (Jo 17.6; At 9.15; Jo 12.28).

Revelar o nome significa revelar a própria pessoa e o seu caráter; assim como, confiar no nome é o mesmo que confiar na pessoa (Sl 9.10; 20.7; 22.22; Mt 12.21 etc).

O nome é a própria pessoa em seus atos. Nas Escrituras o nome revela aspectos do seu caráter e perfeição. Quando o nome do Pai é associado ao do Filho e ao do Espírito Santo, assume o caráter de completude perfeita e harmoniosa.

Os nomes de Deus nas Escrituras nos falam de aspectos de sua natureza e de seus atos. Em contrapartida, essa revelação deve deixar claro para nós como devemos nos relacionar com Ele. Em outras palavras: se Deus se revela como santo, justo, misericordioso, fiel e majestoso, a nossa relação com ele deve levar tudo isso em consideração: O Deus a quem servimos e oramos é um Deus santo, justo, misericordioso, fiel e majestoso. Obviamente isso deve ser essencialmente modelador de nossos atos, orações e culto.

Por vezes, o nosso problema fundamental é que nos falta um conhecimento pessoal de Deus, um conhecimento de quem ele é; e, portanto, de uma confiança resultante da certeza de quem é o Deus em quem cremos.

O nome de Deus só pode ser genuinamente conhecido por meio do conhecimento salvador de Jesus Cristo. Jesus Cristo não se perdeu em questões periféricas, antes, diz que manifestou o nome de Deus, ou seja: anunciou o caráter, os atos e as perfeições de Deus. (Jo 17.6,26).

A Palavra anunciada por Cristo revelava a Deus como Senhor de todas as coisas, evidenciando aspectos da sua natureza.

Toda a nossa relação com Deus, envolvendo o nosso pensar, fazer e cultuar deve ter como ponto de partida a natureza de Deus revelada.

O Salmo 23 é claramente relacional. Se o Senhor é o meu pastor, eu de fato sou sua ovelha. Somos o que somos enquanto o somos para o outro. Não existe pastor sem ovelhas, nem ovelhas sem pastor. A nossa alegria e segurança é saber que o nosso pastor é o Senhor. Por isso mesmo, eu não preciso de nada. Não por resignação, mas, porque nada nos falta nem nos faltará.

Jequié, 10 de novembro de 2018.
Rev. Hermisten M.P. Costa

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *