Rei e Pastor: O Senhor na visão e vivência dos salmistas (39)

O esquecimento dos atos de Deus

O esquecimento dos atos de Deus contribui para o nosso afastamento dele e de sua Palavra. Esse é o diagnóstico que faz o salmista ao considerar a rebeldia de Israel: “Nossos pais, no Egito, não atentaram (lk;f)(sakal) às tuas maravilhas (al’P’) (pala); não se lembraram (rk;z”) (zakar) da multidão das tuas misericórdias (ds,x,) (Hesed) e foram rebeldes junto ao mar, o mar Vermelho” (Sl 106.7).

            O povo se manteve indiferente a Deus. Não considerou a Palavra de Deus, seus atos e a aliança feita.

            Creio que essa experiência não é estranha a muitos de nós. Em alguns momentos, sob o impacto de um grande livramento, a concretização de um desejo intensamente acalentado, o restabelecimento de uma enfermidade, a conquista de um emprego depois de meses sem sucesso…. Quem sabe, louvamos a Deus com sinceridade e integridade. Assumimos compromissos santos diante de Deus, e confessamos as nossas falhas… Mas, em seguida, passados os primeiros momentos de júbilo, gradativamente podemos incorrer no esquecimento de Deus, dos seus atos e de nossas promessas. Foi o que aconteceu com o povo de Israel:

11 As águas cobriram os seus opressores; nem um deles escapou.  12 Então, creram nas suas palavras e lhe cantaram louvor.  13 Cedo, porém, se esqueceram (xk;v’) (shakach)  das suas obras e não lhe aguardaram os desígnios (…)   21 Esqueceram-se (xk;v’) (shakach)  de Deus, seu Salvador, que, no Egito, fizera coisas portentosas (lAdG”) (gadol). (Sl 106.11-13, 21).

As maravilhas de Deus envolvem a sua Palavra. Por isso, devemos considerá-la com sinceridade e louvor.

 A história nas Escrituras é uma demonstração prática dos princípios estabelecidos por Deus. A Lei de Deus é contada por meio da história do povo. A obediência traz a bem-aventurança da comunhão com Deus. A desobediência, as consequências da quebra da aliança feita por Deus com o seu povo.

A Lei de Deus não é apenas uma proposição revelada e teológica, antes, é também contada na história.

De certa forma, a história de nossa vida não deixa de ser uma demonstração prática dos efeitos de nossa obediência e desobediência a Deus, sempre, é claro, envolvida pela misericórdia de Deus que nos capacita a obedecer, nos perdoa em nosso arrependimento e nos restaura à sua comunhão.

O valor da Lei

Ainda que não sejamos salvos pela Lei. O Senhor Jesus Cristo a cumpriu perfeita e completamente por nós. Isso não significa que a Lei de Deus no seu aspecto moral tenha sido abolida. Não temos alvará para vivermos em pecado.[1]  Pelo contrário, ela continua sendo o reto e santo padrão estabelecido por Deus para todos nós. Rejeitar a Lei, além de fazermos pouco caso de nosso Senhor, equivale a rejeitar as bênçãos de Deus envolvidas em sua obediência. É simplesmente propor um novo caminho de vida e de felicidade desenvolvido conforme os nossos interesses pretensamente autônomos.

Considerar os feitos de Deus em louvor e adoração

No Salmo 105, o salmista considerando as obras maravilhosas de Deus na história de Israel, instrui: “Lembrai-vos (rk;z”) (zakar) das maravilhas que fez, dos seus prodígios e dos juízos (jP’v.mi) (mishpat)[2] de seus lábios” (Sl 105.5).

Asafe em profunda angústia, se reanima na consideração dos feitos de Deus:

2 No dia da minha angústia, procuro o Senhor; erguem-se as minhas mãos durante a noite e não se cansam; a minha alma recusa consolar-se.  3 Lembro-me de Deus e passo a gemer; medito, e me desfalece o espírito.  4 Não me deixas pregar os olhos; tão perturbado estou, que nem posso falar.  5Penso nos dias de outrora, trago à lembrança os anos de passados tempos.  6De noite indago o meu íntimo, e o meu espírito perscruta.  7Rejeita o Senhor para sempre? Acaso, não torna a ser propício?  8 Cessou perpetuamente a sua graça? Caducou a sua promessa para todas as gerações?  9Esqueceu-se Deus de ser benigno? Ou, na sua ira, terá ele reprimido as suas misericórdias?  10 Então, disse eu: isto é a minha aflição; mudou-se a destra do Altíssimo.  11 Recordo os feitos do SENHOR, pois me lembro das tuas maravilhas (al,P,) (pele) da antiguidade.  12 Considero também nas tuas obras todas e cogito dos teus prodígios.  13 O teu caminho, ó Deus, é de santidade. Que deus é tão grande como o nosso Deus?  14 Tu és o Deus que operas maravilhas (al,P,) (pele) e, entre os povos, tens feito notório o teu poder. (Sl 77.2-14).

Asafe canta: “Graças te rendemos, ó Deus; graças te rendemos, e invocamos o teu nome, e declaramos as tuas maravilhas (al’P’) (pala) (Sl 75.1).

O salmista rememorando os feitos de Deus na história de seu povo, escreve: “Rendam graças ao SENHOR por sua bondade e por suas maravilhas (al’P’) (pala) para com os filhos dos homens!”(Sl 107.8).

O salmista assume um compromisso pessoal: “Louvar-te-ei, SENHOR, de todo o meu coração; contarei todas as tuas maravilhas (al’P’) (pala) (Sl 9.1).

Apologético, Missional e pedagógico

            Os feitos maravilhosos de Deus ultrapassam os limites de Israel. Isso tem também um propósito apologético e missionário. A igreja por sua vez, deve narrar os feitos de Deus com propósitos adoracionais e pedagógicos.

            No testemunho de Asafe vemos o propósito apologético-missional:

13 O teu caminho, ó Deus, é de santidade. Que deus é tão grande como o nosso Deus?  14 Tu és o Deus que operas maravilhas (al,P,) (pele) e, entre os povos, tens feito notório o teu poder. 15 Com o teu braço remiste o teu povo, os filhos de Jacó e de José.  16 Viram-te as águas, ó Deus; as águas te viram e temeram, até os abismos se abalaram.  17 Grossas nuvens se desfizeram em água; houve trovões nos espaços; também as suas setas cruzaram de uma parte para outra.  18 O ribombar do teu trovão ecoou na redondeza; os relâmpagos alumiaram o mundo; a terra se abalou e tremeu.  19 Pelo mar foi o teu caminho; as tuas veredas, pelas grandes águas; e não se descobrem os teus vestígios.  20 O teu povo, tu o conduziste, como rebanho, pelas mãos de Moisés e de Arão. (Sl 77.13-20).

Em outro lugar o salmista conclama o povo a anunciar entre os povos a glória e as maravilhas de Deus: “Anunciai entre as nações a sua glória, entre todos os povos, as suas maravilhas (al’P’) (pala) (Sl 96.3).

            O mesmo Asafe, estabelece a necessidade de educar seus filhos e as futuras gerações contando as maravilhas de Deus na história:

3 O que ouvimos e aprendemos, o que nos contaram nossos pais,  4 não o encobriremos a seus filhos; contaremos à vindoura geração os louvores do SENHOR, e o seu poder, e as maravilhas (al’P’) (pala) que fez.  5 Ele estabeleceu um testemunho em Jacó, e instituiu uma lei em Israel, e ordenou a nossos pais que os transmitissem a seus filhos,  6 a fim de que a nova geração os conhecesse, filhos que ainda hão de nascer se levantassem e por sua vez os referissem aos seus descendentes;  7 para que pusessem em Deus a sua confiança e não se esquecessem dos feitos de Deus, mas lhe observassem os mandamentos;  8 e que não fossem, como seus pais, geração obstinada e rebelde, geração de coração inconstante, e cujo espírito não foi fiel a Deus. (Sl 78.3-8).

            O nosso Pastor tem operado maravilhas em nossa cotidianidade. Os seus atos na história devem ser objeto de nossa reflexão e gratidão. Sei que é muito difícil para nós ultrapassarmos os limites do que é apenas imediatamente percebido, contudo, amparados da certeza de quem é o nosso Senhor, ainda que com modéstia epistemológica,[3] podemos vislumbrar aspectos da grandeza de sua direção em nossa vida. O Senhor deve ser louvado. Devemos instruir nossos filhos nesse caminho e proclamar a todas as pessoas os seus feitos.

            Esse Senhor maravilhoso que tem realizado grandes maravilhas, é o nosso Pastor. Por isso, nada nos faltará.

Maringá, 04/05 de outubro de 2019.

Rev. Hermisten Maia Pereira da Costa


[1]“Não pense que o Evangelho que o liberta da maldição da lei é uma licença para você desprezar e ignorar a lei” (R.C. Sproul, Oh! Como amo a tua lei!: In: Don Kistler, org. Crer e Observar: o cristão e a obediência, São Paulo: Cultura Cristã, 2009, p. 14). 

[2] Enfatizam a suprema autoridade de Deus em nos prescrever as leis que devem regular as nossas relações e exigir que as cumpramos. “Agora, pois, ó Israel, ouve os estatutos e os juízos (jP’v.mi) (mishpat) que eu vos ensino, para os cumprirdes, para que vivais, e entreis, e possuais a terra que o SENHOR, Deus de vossos pais, vos dá. (…) 5 Eis que vos tenho ensinado estatutos e juízos (jP’v.mi) (mishpat), como me mandou o SENHOR, meu Deus, para que assim façais no meio da terra que passais a possuir.  (…)  8 E que grande nação há que tenha estatutos e juízos (jP’v.mi) (mishpat) tão justos como toda esta lei que eu hoje vos proponho? (…) 14Também o SENHOR me ordenou, ao mesmo tempo, que vos ensinasse estatutos e juízos (jP’v.mi) (mishpat), para que os cumprísseis na terra a qual passais a possuir” (Dt 4.1,5,8,14). “Chamou Moisés a todo o Israel e disse-lhe: Ouvi, ó Israel, os estatutos e juízos (jP’v.mi) (mishpat) que hoje vos falo aos ouvidos, para que os aprendais e cuideis em os cumprirdes” (Dt 5.1). “Estes, pois, são os mandamentos, os estatutos e os juízos (jP’v.mi) (mishpat) que mandou o SENHOR, teu Deus, se te ensinassem, para que os cumprisses na terra a que passas para a possuir” (Dt 6.1).

[3] “A fé reformada incentiva a humildade epistemológica ao tentar dizer o que Deus está fazendo na história. (…) A história de uma perspectiva calvinista é, na verdade, cheia de mistério” (Darryl G. Hart, 1929 e tudo aquilo, ou o que o calvinismo diz aos historiadores em busca de significado?: In: David W. Hall, Calvino em praça pública,  São Paulo: Cultura Cristã, 2017, p. 21).

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *