Rei e Pastor: O Senhor na visão e vivência dos salmistas (37)

H. Temível[1]

Quando em certa ocasião estive visitando a Usina hidrelétrica de Itaipu, fiquei abismado com o tamanho da construção e das turbinas. O que me chamou muito a atenção foi quando verifiquei um caminhão parado perto de uma das turbinas. De forma comparativa o caminhão me pareceu muito pequeno ainda que não seja, exceto relativamente.

          As referências são muito importantes para podermos dimensionar diversos aspectos da realidade.

          Quando pensamos em Deus quais as referências que temos?

O oceano pode nos parecer assustador especialmente em meio a uma tempestade. Um avião comercial voando a 11 kms de altitude com turbulência, pode nos inspirar medo pela grandeza do espaço e por estarmos suspensos e de forma bastante insegura.

O tremor de terra por mais ameno que seja, nós, não acostumados a isso, nos assustamos… Porém, nada disso pode se comparar a Deus e ao seu poder.

          O temor que Deus inspira é notório nas páginas das Escrituras. Esse temor não ocorre por não conhecermos o seu amor e bondade, antes, pela dimensão de sua grandeza e santidade que ultrapassam qualquer padrão e se mostra, portanto, a nós, de modo terrível, impenetrável e incomensurável. Desse modo, Deus é para ser amado, mas, também, temido. Nada se compara a Ele.

          A compreensão correta deve nos conduzir a atitudes compatíveis. Assim sendo, o senso da grandeza incomensurável de Deus deve nos conduzir não à especulação, mas, ao santo temor em obediência e culto.

          Os salmistas se alegram no temor de Deus, cientes da sua santa majestade: “Porque grande é o SENHOR e mui digno de ser louvado, temível (arey”) (yare) mais que todos os deuses” (Sl 96.4). “Celebrem eles o teu nome grande (lAdG”)(gadol) e tremendo (arey”) (yare), porque é santo (vAdq’) (qadosh)” (Sl 99.3).

          O nosso santo temor acompanhado de uma atitude condizente, alegra o Senhor. A Palavra nos ensina que o Deus abençoa os que o temem: “Ele abençoa os que temem (arey”) (yare) o SENHOR, tanto pequenos como grandes” (Sl 115.13)

          Esse Deus que é Rei glorioso e temível, é nosso pastor, que cuida pessoalmente de nós. Se Deus é por nós, não há força que possa nos separar do seu amor e cuidado. Louvemos ao Senhor com alegria e santo temor. Amém

Maringá, 03 de outubro de 2019.

Rev. Hermisten Maia Pereira da Costa


[1] Voltarei a tratar desse assunto com mais detalhes à frente.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *