1) Jesus Cristo tem a perfeita consciência do amor eterno do Pai

Jesus Cristo sempre teve a perfeita consciência de ser o Amado do Pai. O Pai em Seu amor confia totalmente no Amado. O Filho por sua vez se alegra no amor do Pai e, por isso mesmo, aspira pela ocasião quando os seus amados poderão, na presença de Deus, contemplar de forma perfeita a Sua glória e o amor do Pai. Ele mesmo declara:O Pai ama (a)gapa/w) ao Filho, e todas as coisas tem confiado às suas mãos” (Jo 6.35). “Pai, a minha vontade é que onde eu estou, estejam também comigo os que me deste, para que vejam a minha glória que me conferiste, porque me amaste (a)gapa/w) antes da fundação do mundo” (Jo 17.24) (Jo 10.17; 15.9; 17.26).

 

2) O Pai ama a Jesus Cristo e a todos os seus discípulos

 Jesus Cristo sabe que a Sua missão é motivada pelo amor do Deus Trino. Isto não é algo estranho a Ele, visto que o Filho sendo Deus, também é amor. Os discípulos são os amados do Pai por Seu intermédio. Na Oração Sacerdotal, diz: “…. para que o mundo conheça que tu me enviaste e os amaste (a)gapa/w), como também amaste (a)gapa/w) a mim” (Jo 17.23).

 

“O amor do Pai para o Filho é, portanto, o arquétipo de todo o amor”.[1]Nós somos amados em Cristo, no “Amado”. O amor eterno de Deus pelo Filho se manifestou em nossa redenção, pelo Seu sangue. Deus compartilha conosco este amor eterno; isto é maravilhoso.

 

Spurgeon (1834-1892) exulta:

 

No final, os redimidos terão mais do que Adão tinha. Deus amou Adão por consideração a ele. Deus nos amou por consideração a Cristo. Isto é melhor do que amar um homem por consideração a ele. Deus ama Seu povo todo com o mesmo amor infinito com que ama a Cristo. Esta é a nossa herança perdida que Cristo nos restaurou.[2]

 

3) O Amado ama eternamente o Seu Pai

Jesus se despedindo de Seus discípulos mostra-lhes que o amor a Deus se revela em obediência: quem o ama guarda a Sua Palavra. Nesta relação de amor e obediência nasce a intimidade própria do Deus amante com o Seu povo amado mediada pelo Amado, Jesus Cristo (Jo 14.23).[3] Jesus Cristo ilustra o Seu eterno e perfeito amor pelo Pai: …. assim procedo para que o mundo saiba que eu amo (a)gapa/w) o Pai e que faço como o Pai me ordenou….” (Jo 14.31).

 

Continuaremos esse assunto.

 

 

São Paulo, 11 de abril de 2019.

Rev. Hermisten Maia Pereira da Costa

 

*Leia esta série completa aqui.

 


 

[1]W. Günther; H.-G. Link, Amor: In: Colin Brown, ed. ger. O Novo Dicionário Internacional de Teologia do Novo Testamento, São Paulo: Vida Nova, 1981-1983, Vol. I, p. 200.

[2]C. H. Spurgeon, Sermões Sobre a Salvação, São Paulo: Publicações Evangélicas Selecionadas, 1992, p 71.

[3]Respondeu Jesus: Se alguém me ama (a)gapa/w), guardará a minha palavra; e meu Pai o amará (a)gapa/w), e viremos para ele e faremos nele morada” (Jo 14.23).


2 comentários

Jamir Mendonça da Silva · 15 de abril de 2019 às 00:04

Sempre terei boas lembranças daquele a quem devo, como exaluno, tudo que sou, tenho e represento. Rev. Jamir

Os eleitos de Deus e o seu caminhar no tempo e no teatro de Deus (18) | CFNEWS · 16 de abril de 2019 às 07:00

[…] No final, os redimidos terão mais do que Adão tinha. Deus amou Adão por consideração a ele. Deus nos amou por consideração a Cristo. Isto é melhor do que amar um homem por consideração a ele. Deus ama Seu povo todo com o mesmo amor infinito com que ama a Cristo. Esta é a nossa herança perdida que Cristo nos restaurou.[2] […]

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *