O Pensamento Grego e a Igreja Cristã: Encontros e Confrontos – Alguns apontamentos (21)

A sabedoria deste mundo é loucura (mwri/a) diante de Deus (1Co 3.19). Deus sabe que os pensamentos destes “sábios” são “vãos” (= “nulos”, “fúteis” [ma/taioj] *At 14.15; 1Co 3.20; 15.17; Tt 3.9; Tg 1.26; 1Pe 1.18)(1Co 3.20).

Por outro lado, os que creem na loucura (mwri/a) da pregação serão salvos (1Co 1.21). A loucura (mwro/j) de Deus é mais sábia do que a sabedoria deste mundo (1Co 1.25). Mas, qual a diferença entre a sabedoria de Deus e a sabedoria do mundo? A diferença fundamental, é que a sabedoria deste mundo tenta anular a cruz de Cristo, buscando um caminho mais de acordo com os seus pressupostos, realçando a sua capacidade e autonomia, buscando em si mesmos a solução de seus problemas e, descobrem tristemente, que seus reservatórios estão vazios.[1] A sabedoria de Deus, por sua vez, mostra na cruz, o pecado humano e a sua total incapacidade de salvar-se, estando totalmente perdido, realçando a graça redentora de Deus (Rm 3.34-26; 5.6-11).

Piper resume:

Em outras palavras, a cruz ofende a sabedoria humana porque ela humilha o homem e exalta a imerecida graça de Deus.[2] (…) O âmago da sabedoria de Deus é a paixão de Deus por demonstrar sua graça em Cristo para o gozo eterno daqueles que creem. Visto que todos nós somos pecadores indignos, a cruz é central para essa sabedoria. Sem a cruz, não poderíamos ter essa sabedoria. (…) A essência da sabedoria de Deus é exaltar a glória de sua graça manifestada em Cristo crucificado.[3]

Portanto, se quisermos nos tornar sábios para Deus, tornemo-nos loucos (mwro/j) para as cousas deste mundo (1Co 3.18).[4]

De certa forma, somos os loucos de Cristo (1Co 4.10). Por sua vez, ilustrando que a “loucura” ou “insensatez” não são boas em si mesmas, Paulo faz recomendações práticas para que rejeitemos as questões “sábias” deste mundo que consistem em discussões e questões “insensatas” que produzem contendas, não tendo utilidade (2Tm 2.23; Tt 3.9 [“fúteis” (ma/taioj]). Portanto, o Evangelho não tem a “loucura” e “insensatez” como virtudes (Mt 23.16-17; 25.1-13). A verdadeira sabedoria consiste em ouvir a Palavra de Deus e praticá-la. Loucura é desprezá-la (Mt 7.24-27).

A sabedoria deste mundo tenta excluir Deus, por isso a loucura desta suposta sabedoria que astutamente torna a realidade apenas material, ou, quando muito, vê a vida como sendo dominada por alguma força cósmica impessoal. Dentro desta perspectiva secular-mística, a mensagem do Evangelho permanece como loucura. Ela é inacessível à compreensão puramente humana e limitada.

Portanto, o argumento de Paulo quanto à proclamação do Evangelho:

….a sabedoria deste mundo é loucura diante de Deus; porquanto está escrito: Ele apanha os sábios (sofo/j) na própria astúcia deles (1Co 3.19).
….expomos sabedoria (sofi/a) entre os experimentados; não, porém, a sabedoria (sofi/a) deste século, nem a dos poderosos desta época, que se reduzem a nada (katarge/w) (algo que desvanece, se dilui) (1Co 2.6).

Lloyd-Jones (1899-1981) colocou esta questão nestes termos:

Se vocês não partirem deste elemento de mistério e de encantamento, nunca irão crer no Evangelho. ‘Não julgues o Senhor pela débil razão.’ Reconheça a sua finitude pessoal, a sua pecaminosidade, a sua incapacidade total para entender a mente do Deus eterno.[5]

Assim, sendo, o cristão deve aceitar este paradoxo: tornar-se louco diante dos valores deste século para entender a verdadeira e definitiva sabedoria:

18 Ninguém se engane a si mesmo: se alguém dentre vós se tem por sábio neste século, faça-se estulto para se tornar sábio. 19 Porque a sabedoria deste mundo é loucura diante de Deus; porquanto está escrito: Ele apanha os sábios na própria astúcia deles. 20 E outra vez: O Senhor conhece os pensamentos dos sábios, que são pensamentos vãos. (1Co 3.18-20).

Por isso a nossa fé não pode se apoiar em sabedoria humana, mas, no poder de Deus. Paulo sabia bem deste risco, certamente tão tentador para muitos. Relembra então aos coríntios, como foi a sua chegada entre eles:

Eu, irmãos, quando fui ter convosco, anunciando-vos o testemunho de Deus, não o fiz com ostentação de linguagem ou de sabedoria (sofi/a). 2Porque decidi nada saber entre vós, senão a Jesus Cristo e este crucificado. 3 E foi em fraqueza, temor e grande tremor que eu estive entre vós. 4 A minha palavra e a minha pregação não consistiram em linguagem persuasiva de sabedoria (sofi/a), mas em demonstração do Espírito e de poder, 5 para que a vossa fé não se apoiasse em sabedoria (sofi/a) humana, e sim no poder de Deus. (1Co 2.1-5/2Co 1.12).[6]

Continua:

Mas falamos a sabedoria (sofi/a) de Deus em mistério, outrora oculta, a qual Deus preordenou desde a eternidade para a nossa glória (1Co 2.7).
Disto também falamos, não em palavras ensinadas pela sabedoria (sofi/a) humana, mas ensinadas pelo Espírito, conferindo coisas espirituais com espirituais. (1Co 2.13).

A pregação entre os colossenses não foi diferente:

24 Agora, me regozijo nos meus sofrimentos por vós; e preencho o que resta das aflições de Cristo, na minha carne, a favor do seu corpo, que é a igreja; 25 da qual me tornei ministro de acordo com a dispensação da parte de Deus, que me foi confiada a vosso favor, para dar pleno cumprimento à palavra de Deus: 26 o mistério que estivera oculto dos séculos e das gerações; agora, todavia, se manifestou aos seus santos; 27 aos quais Deus quis dar a conhecer qual seja a riqueza da glória deste mistério entre os gentios, isto é, Cristo em vós, a esperança da glória; 28 o qual nós anunciamos, advertindo a todo homem e ensinando a todo homem em toda a sabedoria (sofi/a), a fim de que apresentemos todo homem perfeito em Cristo; 29 para isso é que eu também me afadigo, esforçando-me o mais possível, segundo a sua eficácia que opera eficientemente em mim. (Cl 1.24-29).

Do mesmo modo entre os efésios:

8A mim, o menor de todos os santos, me foi dada esta graça de pregar aos gentios o evangelho das insondáveis riquezas de Cristo 9 e manifestar qual seja a dispensação do mistério, desde os séculos, oculto em Deus, que criou todas as coisas, 10 para que, pela igreja, a multiforme sabedoria (sofi/a) de Deus se torne conhecida, agora, dos principados e potestades nos lugares celestiais, 11 segundo o eterno propósito que estabeleceu em Cristo Jesus, nosso Senhor, 12 pelo qual temos ousadia e acesso com confiança, mediante a fé nele (Ef 3.8-12).

Maringá, 20 de novembro de 2019.

Rev. Hermisten Maia Pereira da Costa

 


[1]“Em sua insanidade arrogante, os homens afirmam que são mais sábios do que Deus, ao asseverarem seu próprio pensamento e abordagem quanto à vida. E aqueles que os ouvem procuram, em grande número, as cisternas rotas da filosofia humanista deles, em busca de respostas para a vida. Mas tudo que descobrem são reservatórios vazios que escarnecem de sua sede” (Steven J. Lawson, O tipo de pregação que Deus abençoa, São José dos Campos, SP.: Editora Fiel, 2013, p. 52).

[2] “A cruz se levanta como testemunho da infinita dignidade de Deus e o infinito ultraje do pecado” (John Piper, A Supremacia de Deus na Pregação, São Paulo: Shedd Publicações, 2003, p. 31).

[3]John Piper, Pense – A Vida da Mente e o Amor de Deus, São José dos Campos, SP.: Fiel, 2011, p. 209,210.

[4] Ninguém se engane a si mesmo: se alguém dentre vós se tem por sábio (sofo/j) neste século, faça-se estulto (mwro/j) para se tornar sábio (sofo/j) (1Co 3.18).

[5] D.M. Lloyd-Jones, Cristianismo Autêntico: Sermões nos Atos dos Apóstolos, São Paulo: Publicações Evangélicas Selecionadas, 2006, v. 4, p. 304.

[6] Porque a nossa glória é esta: o testemunho da nossa consciência, de que, com santidade e sinceridade de Deus, não com sabedoria (sofi/a) humana, mas, na graça divina, temos vivido no mundo e mais especialmente para convosco” (2Co 1.12).

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *